21 de fevereiro de 2006.   

 

Unidos de Jucutuquara e Unidos de Barreiros são campeãs

 
Unidos de Barreiros chamou a atenção com seu carro abre-alas e conquistou o campeonato entre as escolas do Grupo de Acesso. Foto: Elizabeth Nader

A Escola Unidos de Jucutuquara conquistou o título de melhor escola de samba no desfile 2006 depois de uma tumultuada apuração de votos no Sambão do Povo na última terça-feira. A Escola ficou com 199,2 pontos. A Mocidade Unida da Glória, conquistou o segundo lugar, com 196,5 pontos.

Já a Escola Unidos de Barreiros foi campeã do Grupo de Acesso e garantiu o passporte para o grupo de elite das escolas do Grupo Especial para 2007. A Rosas de Ouro fez bonito e já se prepara para disputar o título entre as escolas especiais no próximo ano. Ao todo seis escolas de samba disputavam o título no Grupo de Acesso e sete estavam no Grupo Especial.

A apuração dos votos do grupo Especial, formado por sete escolas, foi interrompida às 21h40 quando teve início um tumulto na arquibancada do Sambão do Povo. O processo de apuração ficou suspenso por mais de 40 minutos e a Polícia Militar foi acionada para conter a confusão provocada entre os torcedores da Novo Império, descontentes com a apuração. Um homem foi detido no local com uma arma.

Com o enredo "Barreiros canta a cultura nas terras de Aracruz.", a agremiação entrou na avenida à 1h40 de sábado e fez a diferença no Grupo de Acesso.Foto: Elizabeth Nader

O terceiro lugar do Grupo Especial ficou com a Independentes de Boa Vista, com 194,5 pontos, seguida pela Novo Império, que alcançou 192,7 pontos. Já a Andaraí chegou aos 170,6 pontos. Em sexto lugar ficou a Pega no Samba, com 169,5 e em último a Unidos da Piedade, com 167,8 pontos.

A Liga Capixaba das Escolas de Samba do Espírito Santo (Lices) informou que vai responsabilizar as agremiações pelos prejuízos causados no Sambão, já que cadeiras foram lançadas para o alto durante o tumulto, junto com garrafas e latinhas.

A apuração dos votos levou seis mil pessoas ao Sambão do Povo nesta terça-feira e teve início às 18 horas. As notas são referentes a dez quesitos: alegorias e adereços, bateria, comissão de frente, conjunto, enredo, evolução, fantasia, harmonia, mestre sala e porta bandeira e samba enredo - apontados no regulamento.

Grupo de Acesso

Enquanto a Unidos de Barreiros levou 197,4 pontos (o máximo são 200 pontos), a Rosas de Ouro conquistou 181,9 pontos. Em terceiro lugar ficou a Imperatriz do Forte, com 154 pontos e em quarto lugar a Chegou o que Faltava, com 147 pontos. A Indendentes de São Torquato ficou em quinto lugar com 137 pontos e Tradição Serrana em sexto, com 74 pontos.

Este ano a tradicional Unidos de Barreiros apresentou o samba-enredo “Barreiros canta a cultura nas terras de Aracruz”, dos compositores Luis Carlos Costa Pereira e Maneco, na interpretação de Marquinhos Gente Bamba.

Fundada em 1972 no bairro São Cristóvão em Vitória, a Unidos de Barreiros levou 2 mil componentes para o Sambão do Povo na última sexta-feira e apresentou dez alas e quatro carros alegóricos com as cores predominantes vermelha e branca, que simbolizam a escola.

A escola entrou na avenida à 1h40 e fez a diferença no Grupo de Acesso. O Abre Alas mais bonito da noite, bateria cadenciada, fantasias bem feitas, sem buracos na evolução, a Barreiros espalhou brilho na avenida e levantou o público e fez jus ao título, finalizando seu desfile com 1h01 de duração.

Nos momentos finais da apuração o presidente da escola, Jadilson Luiz Damascena, o mestre da Bateria, Eduardo Silva (Mestre Edu), a rainha da bateria, Franciele Martins, e o carnavalesco Paulo Roberto Balbino comemoravam a conquista do título de campeã.

A descontração tomou conta do sambão e manteve o pique dos foliões da Rosas de Ouro, que ficou com o vice campeonato do Grupo de Acesso. Foto: Elizabeth Nader

O Grêmio Recreativo Escola de Samba Rosas de Ouro, que ficou com o vice-campeonato do grupo de Acesso abriu o desfile do Grupo de Acesso (1B), na sexta-feira (17), com o enredo "Eu sou afro-serrano, sou cultura, sou raiz."

Fundada em 15 de novembro de 1984, com as cores dourado e azul royal, a escola contou a história do povo negro capixaba, desde a Insurreição de Queimados, com três carros alegóricos.

A comissão de frente, saudando São Benedito, mostrou a puxada e fincada do mastro para a avenida. A escola serrana encerrou seu desfile com o tempo de 57'50'', enquanto o mínimo exigido pela Liga das Escolas de Samba do Espírito Santo (Lices) é de 60 minutos, o que resultou na perda de pontos preciosos para a escola.


Um show na avenida

A família real recebeu sinal verde para entrar na avenida e cumprimentar o público às 21h45, da sexta-feira (17). O rei momo Luiz Vieira recebeu das mãos do prefeito João Coser a chave da cidade, ao lado da rainha Adelaide e das princesas Fernanda e Cynthia. O prefeito João Coser saldou os foliões e pediu a todos um carnaval de paz.

Após a passagem da Rosas de Ouro, os garis da Prefeitura de Vitória tomaram conta do Sambão do Povo e deixaram a avenida limpa para a passagem da segunda escola, a Chegou o que Faltava, que recebeu sinal verde às 23h55.

Com o enredo "Do papiro à celulose. O papel nosso de cada dia é hoje minha fantasia", a agremiação das cores azul, branco e rosa, do bairro Goiabeiras, levou 14 representantes do deus Orus, na comissão de frente Divindade egípcia. Fundada no dia 06 de Junho de 1976, a escola enfrentou problemas com um dos carros alegóricos, pelo terceiro ano consecutivo, mas encerrou o desfile dentro do prazo determinado pela Lices, com 1h09.
.
Nas cores vermelho e branco, a Unidos de Barreiros, do bairro São Cristóvão, foi a terceira escola a entrar no Sambão do Povo. Com o enredo "Barreiros canta a cultura nas terras de Aracruz.", a agremiação entrou na avenida à 1h40 de sábado e fez a diferença no Grupo de Acesso. O Abre Alas
mais bonito, bateria cadenciada, fantasias bem feitas, sem buracos na evolução, a Barreiros espalhou brilho na avenida e levantou o público.

A Barreiros levou quatro carros alegóricos e cerca de dois mil componentes, encerrando o desfile com 1h01. Às 3 horas, a Imperatriz do Forte recebeu sinal verde e aqueceu os tambores ao som de "Brasileirinho". Com o enredo "Lendas, Historias e Magias: O Furdúncio da Imperatriz.", nos primeiros 25 minutos, a agremiação foi prejudicada por problemas na captação do som da bateria.

Mas esse não foi a única falha na passagem da Imperatriz. A ala das baianas saiu apenas com 13 integrantes, enquanto o regulamento determina um mínimo de 30 baianas, em todas as alas, alguns integrantes estavam sem adereços ou alegorias e um dos carros alegóricos quebrou. A agremiação
permaneceu na avenida por 1h06".

A comissão de frente da Independentes de São Torquato trouxe uma coreografia diferente e bem treinada.Foto: Elizabeth Nader

Com carros alegóricos e fantasias incompletos, apenas sete baianas, a agremiação conseguiu destaque apenas com o belo samba enredo e a graça do casal de mestre sala e porta bandeira.

O enredo "Na era do reciclável nada mais é descartável" foi levado para o Sambão do Povo pela Tradição Serrana, que entrou na avenida às 5h46, com as mesmas falhas mostradas pelas escolas anteriores. Ala das baianas com 10 integrantes, fantasias e carros inacabados.

A agremiação fechou o desfiles das Escolas de Samba de Vitória do Grupo 1B. A apuração será realizada nesta terça-feira (21), a partir das 18 horas, mas a opinião de quem assistiu o desfile foi unânime, a Barreiros fez um desfile com qualidade superior às demais, deverá ser a campeã do Grupo 1B e desfilar no sábado em 2007, ao lado das grandes escolas como a MUG, a Jucutuquara e a Piedade.

De acordo com o Centro de Informações da Policia Militar, das 19h30 de sexta-feira até as 7 horas do sábado, nenhuma ocorrência foi registrada no Sambão do Povo.

Grupo Especial

A segunda noite do desfile das escolas de samba de Vitória começou com o brilho da Mocidade Unida da Glória (MUG), atual campeã do carnaval, que entrou na avenida, às 22h30, com o peso de quem veio para disputar o tricampeonato. O enredo "Quem vai provar, quem vai querer, eu sou o café e o meu banquete é pra você" levou três mil componentes, cinco carros alegóricos luxuosos, cores fortes e variadas, além de muito brilho.

A agremiação de Vila Velha passou com a grande maioria de seus componentes cantando o samba enredo e o público permaneceu de pé durante todo o desfile. A vermelha e branca mostrou na avenida a comissão de frente "A descoberta", coreografada pela técnica da seleção brasileira de ginastica rítmica, Mônica Queiroz, com 15 lindos negros desenvolvendo na avenida, acompanhados pelos movimentos perfeitos da ginasta NiKole Muller, medalha de ouro no Pré-pan de ginástica rítmica.

A Imperatriz do Forte recebeu sinal verde e aqueceu os tambores ao som de "Brasileirinho". Com o enredo "Lendas, Historias e Magias: O Furdúncio da Imperatriz. Foto: Elizabeth Nader.

O charme da escola ficou por conta de máquinas presas atrás dos carros alegóricos que exalavam aroma de café pelo Sambão do Povo. A 19ª e última ala da agremiação também deu show na avenida, com passos coreografados, os integrantes representavam o progresso e, com cestas de palha e café nas mãos, convidavam o público a sambar com a MUG. No encerramento do desfile, após 1h04, a velha guarda da escola e a diretoria deixou a avenida bastante aplaudida pelo público.

A segunda escola a entrar na avenida foi a Andaraí, com o enredo "Na loucura da vida e na folia... Todo louco tem sua magia!" A escola, fundada em 01 de dezembro de 1946, apesar de muita simplicidade, levou animação e samba no pé com os seus integrantes.

A comissão de frente formada por mulheres "verdes", representando serpentes, evolui bem na avenida, mas o destaque principal da agremiação foi a perfeita execução da bateria da verde e rosa do bairro Santa Marta, que levantou a arquibancada durante 1h05, tempo de duração do desfile. A falha aconteceu com a rainha da bateria que entrou na avenida com um sapato maior que o pé, tropeçou várias vezes e precisou ficar descalça quando os ritimistas recuaram.

As homenagens a municípios capixabas marcaram o desfile do Grupo Especial. A Independente de Boa Vista, terceira escola a atravessar o Sambão do Povo, mostrou o enredo "Cariacia, eu sou daqui. Do índio antropológico ao híbrido cultural. Ao longo de nossa história, caminho sempre para um futuro melhor." No carro abre alas, a deputada Janete de Sá, madrinha da agremiação, era o destaque principal. Na comissão de frente, uma bailarina clássica acompanhada de homens com fantasias brancas, azuis e vermelhas deu um show à parte, com belas evoluções.

O prefeito do município, Helder Salomão, pegou carona no Expresso Boa Vista, o último carro alegórico da escola, que desfilou durante 1h05. Logo no início do desfile a Unidos de Jucutuquara enfrentou problemas com um equipamento preparado para lançar as cores vermelho, verde e branco da
agremiação e a comissão de frente entrou na avenida somente após 10 minutos do sinal verde e o carro abre alas somente após 15 minutos.

A homenagem ao município de Linhares, com o enredo "Os tambores da Jucutuquara soam na terra dos botocudos. Linhares, a jóia do Rio Doce", contou com fantasias luxuosas e os mais belos carros alegóricos. Mas, no quesito evolução, a escola deixou muito a desejar. Os três mil componentes
precisaram correr nos 15 minutos finais para que a escola concluísse o desfile em 1h08, o que irá prejudicar a Jucutuquara na pontuação.

"Na era do reciclável nada mais é descartável" foi o enredo da Tradição Serrana. Foto: Elizabeth Nader


A Novo Império comemorou as Bodas de Ouro da escola em grande estilo, com o enredo "50 anos de história. Novo Império conta histórias." Bateristas, diretores e velha guarda da agremiação fundada em 2 de dezembro de 1956, usaram uma tarja preta, em homenagem ao diretor Badu, que faleceu uma semana antes do desfile.

As cores azul, branco e rosa da Novo Império estiveram no carro Abre Alas e também diversas vezes pela avenida. A comissão de frente, com o tema Renascer, trouxe 10 mulheres grávidas. Apesar de não ser novidade, a ala coreografada de casais dançarinos fez muito bonito na avenida. Mais uma vez a bateria nota 10 deu show na avenida empolgando o público, mas a evolução foi prejudicada e a escola perderá um ponto, por ter ultrapassado em um minuto o tempo máximo de 70 minutos exigido pelo regulamento da Lices.

Madrinha da Bateria entoa o samba-enredo da Unidos de Boa Vista. Foto: Carlos Antolini

Com o enredo "Carinhosamente Princesa do Sul" a escola de samba Pega no Samba homenageou a terra do Rei Roberto Carlos, o município de Cachoeiro de Itapemirim. A bateria cadenciada trouxe a primeira fileira somente com crianças, a mais nova delas com apenas seis anos, tocando tamborim e fazendo bonito na avenida. Após a metade do desfile, já com o dia claro, a agremiação cresceu na animação e empolgou o público, comandada pela presidente Neuzinha de Oliveira. A rainha da bateria deu um verdadeiro espetáculo de samba no pé e requebrado e a agremiação encerrou o desfile com o tempo de 1h05.

A mais antiga escola do Espírito Santo, a Unidos da Piedade, entrou na avenida às 6h03 para encerrar o desfile do Grupo Especial, levando para o Sambão do Povo o enredo "Nos braços da Piedade, Colatina, a terra do sol poente conta a saga do seu povo no vale do rio Doce." Criatividade no vestido da Porta Bandeira feito com canudinhos e pintado nas cores prata e dourado, que surtiu um belo efeito. Muitos aplausos para a rainha da bateria que deu um show de sensualidade com muito samba no pé e requebrado de primeira linha.

O refrão do samba "Se você quer sambar, vem prá cá! Se você quer amor, eu dou", empolgou arquibancadas e camarotes e, já com sol forte, a Piedade fechou o carnaval 2006, com integrantes de outras escolas, profissionais da imprensa e pessoas que participaram da organização sambando na avenida e comemorando o sucesso do evento, realizado pela Prefeitura de Vitória. Durante o próximo fim de semana, o Sambão do Povo será novamente palco da folia. A programação do carnaval de Vitória inclui shows durante os quatro dias de festa. ( Texto: Luciene Araújo, Adriana Menezes e Adriana Machado)

 

Unidos de Barreiros. Foto:Elizabeth Nader Escola Chegou o que faltava. Foto:Elizabeth Nader
Escola Chegou o que faltava. Foto:Elizabeth Nader Escola Chegou o que faltava. Foto:Elizabeth Nader
Rosas de Ouro. Foto: Elizabeth Nader Imperatriz do Forte. Foto:Elizabeth Nader
Unidos de São Torquato. Foto: Elizabeth Nader Rosas de Ouro. Foto: Elizabeth Nader
Andaraí. Foto: Carlos Antolini Andaraí. Foto: Carlos Antolini
Boa Vista.Foto: Carlos Antolini Boa Vista.Foto: Carlos Antolini
Boa Vista. Foto: Carlos Antolini Unidos de Jucutuquara.Foto: Carlos Antolini
Unidos de Jucutuquara. Foto: Carlos Antolini Unidos de Jucutuquara.Foto: Carlos Antolini
Unidos de Jucutuquara. Foto: Carlos Antolini Unidos de Jucutuquara.Foto: Carlos Antolini
Unidos de Jucutuquara.Foto: Carlos Antolini Jucutuquara. Foto: Carlos Antolini
Mocidade Unida da Glória. Foto: Carlos Antolini Mocidade Unida da Glória. Foto: Carlos Antolini
Mocidade Unida da Glória. Foto: Carlos Antolini Mocidade Unida da Glória.Foto: Carlos Antolini
Pega no Samba.Foto: Carlos Antolini Pega no Samba.Foto: Carlos Antolini
Pega no Samba.Foto: Carlos Antolini Pega no Samba.Foto: Carlos Antolini
Pega no Samba.Foto: Carlos Antolini Pega no Samba.Foto: Carlos Antolini
Piedade. Foto: Carlos Antolini Piedade. Foto: Carlos Antolini
Piedade. Foto: Carlos Antolini Chegou que Faltava.Foto: Elizabeth Nader
Barreiros. Foto: Sergio Cardoso Barreiros. Foto: Sergio Cardoso
Barreiros. Foto: Sergio Cardoso Barreiros. Foto: Sergio Cardoso
Chegou o que Faltava. Foto: Sergio Cardoso Chegou o que Faltava. Foto: Sergio Cardoso
Chegou o que Faltava. Foto: Sergio Cardoso Imperatriz do Forte. Foto: Sergio Cardoso
Imperatriz do Forte. Foto: Sergio Cardoso Imperatriz do Forte. Foto: Sergio Cardoso
Imperatriz do Forte. Foto: Sergio Cardoso Independentes de São Torquato. Foto: Sergio Cardoso
Independentes de São Torquato. Foto: Sergio Cardoso Independentes de São Torquato. Foto: Sergio Cardoso
Independentes de São Torquato. Foto: Sergio Cardoso Rosas de Ouro. Foto: Sergio Cardoso
Rosas de Ouro. Foto: Sergio Cardoso Rosas de Ouro. Foto: Sergio Cardoso
Rosas de Ouro. Foto: Sergio Cardoso Tradição Serrana. Foto: Sergio Cardoso
Tradição Serrana. Foto: Sergio Cardoso Tradição Serrana. Foto: Sergio Cardoso
 
Tradição Serrana. Foto: Sergio Cardoso